segunda-feira, dezembro 04, 2006

Reflexões

Um crápula paramentado
Parou para meditar.

Refletiu-se no espelho,
Pôs-se de joelhos e chorou
Lágrimas amorais.

Ficou a admirar-se.
Mirou-se à distância,
Desde a infância até nunca mais.

Repensou cada ato
E num ato de rebeldia
Disse que se perdoaria
Se um dia tivesse errado.

Recompôs-se.
Cofiou a barba,
Alinhou os cabelos,
Fê-los belos e modernos.

Rebateu o terno de linho
Como quem sacode a poeira.
Foi à beira da cama,
Olhou o espelho derradeiro,

Lançou-se ao leito e,
Sem se despojar das vestes,
Dormiu o sono dos perfeitos.

Nenhum comentário: